contador de acesso
'Meus Delírios




















13/11/2011 . 2,063 notes . Reblog
13/11/2011 . 737 notes . Reblog

Can you show us your best impression of Robert Pattinson?

13/11/2011 . 438 notes . Reblog
londonrobstenv:

Love this manip!

londonrobstenv:

Love this manip!

13/11/2011 . 459 notes . Reblog
Saindo aqui boa noite =) vou mandar a rafa passar aqui =P

Voltarei a escrever algumas coisas que tenho arquivada =)

Vou planejar com minha dupla \o/ Rafa lala

bjinhos Bye

12/11/2011 . 0 notes . Reblog
Depois da orgia
O prazer que na orgia a hetaíra gozaProduz no meu sensorium de bacanteO efeito de uma túnica brilhanteCobrindo ampla apostema escrofulosa!Troveja! E anelo ter, sôfrega e ansiosa,O sistema nervoso de um gigantePara sofrer na minha carne estuanteA dor da força cósmica furiosa.Apraz-me, enfim, despindo a última alfaiaQue ao comércio dos homens me traz presa,Livre deste cadeado de peçonha,Semelhante a um cachorro de atalaiaÀs decomposições da Natureza,Ficar latindo minha dor medonha!
(Augusto dos Anjos)

Depois da orgia

O prazer que na orgia a hetaíra goza
Produz no meu sensorium de bacante
O efeito de uma túnica brilhante
Cobrindo ampla apostema escrofulosa!

Troveja! E anelo ter, sôfrega e ansiosa,
O sistema nervoso de um gigante
Para sofrer na minha carne estuante
A dor da força cósmica furiosa.

Apraz-me, enfim, despindo a última alfaia
Que ao comércio dos homens me traz presa,
Livre deste cadeado de peçonha,

Semelhante a um cachorro de atalaia
Às decomposições da Natureza,
Ficar latindo minha dor medonha!

(Augusto dos Anjos)
12/11/2011 . 0 notes . Reblog
Pecadora
Tinha no olhar cetíneo, aveludado,A chama cruel que arrasta os corações,Os seios rijos eram dois brasõesOnde fulgia o simb’lo do Pecado.Bela, divina, o porte emolduradoNo mármore sublime dos contornos,Os seios brancos, palpitantes, mornos,Dançavam-lhe no colo perfumado.No entanto, esta mulher de grã beleza,Moldada pela mão da Natureza,Tornou-se a pecadora vil. Do fado,Do destino fatal, presa, morriaUma noute entre as vascas da agoniaTendo no corpo o verme do pecado!

(Augusto dos Anjos)

Pecadora

Tinha no olhar cetíneo, aveludado,
A chama cruel que arrasta os corações,
Os seios rijos eram dois brasões
Onde fulgia o simb’lo do Pecado.

Bela, divina, o porte emoldurado
No mármore sublime dos contornos,
Os seios brancos, palpitantes, mornos,
Dançavam-lhe no colo perfumado.

No entanto, esta mulher de grã beleza,
Moldada pela mão da Natureza,
Tornou-se a pecadora vil. Do fado,

Do destino fatal, presa, morria
Uma noute entre as vascas da agonia
Tendo no corpo o verme do pecado!

(Augusto dos Anjos)
12/11/2011 . 0 notes . Reblog
Prazer e êxtase
O prazer sefaz em êxtase:quando omeu corpo,feito água,descobretodos oscaminhosdo seu.E deixa-seficaronde vocêmergulha emmim.
(Stela Fonseca)

Prazer e êxtase

O prazer se
faz em êxtase:
quando o
meu corpo,
feito água,
descobre
todos os
caminhos
do seu.
E deixa-se
ficar
onde você
mergulha em
mim.

(Stela Fonseca)
12/11/2011 . 0 notes . Reblog
O sexo é sagrado…
O sexo é sagrado, como salgadas são as gotas de suor que brotam dos meus poros e encharcam nossas peles. A noite é meu templo onde me torno uma deusa enlouquecida sentindo teus pelos sobre a minha pele. Neste instante já não sou nada, somente corpo, boca, pele, pêlos, línguas, bocas. E a vida brota da semente, dos poucos segundos de êxtase. Tuas mãos como um brinquedo passeiam pelo meu corpo. Não revelam segredos desvendam apenas o pudor do mundo, descobrem a febre dos animais. Então nos tornamos um ao mesmo tempo em que a escuridão explode em festa. A noite amanhece sem versos, com a música do seu hálito ofegante. O sol brota de dentro de mim. Breves segundos. Por alguns instantes dispo-me do sofrimento. Eu fui feliz.

(Cláudia Marczak)
fonte: http://cseabra.utopia.com.br

O sexo é sagrado…

O sexo é sagrado, 
como salgadas são as gotas de suor 
que brotam dos meus poros 
e encharcam nossas peles. 
A noite é meu templo 
onde me torno uma deusa enlouquecida 
sentindo teus pelos sobre a minha pele. 
Neste instante já não sou nada, 
somente corpo, 
boca, 
pele, 
pêlos, 
línguas, 
bocas. 
E a vida brota da semente, 
dos poucos segundos de êxtase. 
Tuas mãos como um brinquedo 
passeiam pelo meu corpo. 
Não revelam segredos 
desvendam apenas o pudor do mundo, 
descobrem a febre dos animais. 
Então nos tornamos um 
ao mesmo tempo em que 
a escuridão explode em festa. 
A noite amanhece sem versos, 
com a música do seu hálito ofegante. 
O sol brota de dentro de mim. 
Breves segundos. 
Por alguns instantes dispo-me do sofrimento. 
Eu fui feliz.


(Cláudia Marczak)

fonte: http://cseabra.utopia.com.br

12/11/2011 . 0 notes . Reblog
Lendo este poema, será que conseguem vislumbrar ao que é que ele se quer referir?

.
Quer seja curto ou comprido, Quer seja fino ou mais grosso, É um órgão muito querido, Por não ter espinhas nem osso.
.
De incalculável valor, Ninguém tem um a mais, E desempenha no amor, Um dos papéis principais.
.
Quando uma dama lhe toca, Ei-lo a pular com fervor, Se for um rapaz, estremece, Se for velho, tem menos vigor.
.
O seu nome não é tão feio, Pois tem sete letrinhas só, Tem um R e um A no meio, Começa em C e acaba em O.
.
Nunca se encontra sozinho, Vive sempre acompanhado, Por outros dois orgãozinhos, Junto de si, lado a lado.
.
O nome destes, porém, Não gera confusões, Tem sete letras também, Tem L e acaba em ÕES.
.
Pra acabar com o embalo, E com as más impressões, Os órgãos de que eu falo… São o coração e os pulmões!
.

Pensavam que fosse o quê? Mentes sujas…
FONTE: http://kumkaneco.blogs.sapo.pt/62498.html

Lendo este poema, será que conseguem vislumbrar ao que é que ele se quer referir?

.

Quer seja curto ou comprido, 
Quer seja fino ou mais grosso, 
É um órgão muito querido, 
Por não ter espinhas nem osso.

.

De incalculável valor, 
Ninguém tem um a mais, 
E desempenha no amor, 
Um dos papéis principais.

.

Quando uma dama lhe toca, 
Ei-lo a pular com fervor, 
Se for um rapaz, estremece, 
Se for velho, tem menos vigor.

.

O seu nome não é tão feio, 
Pois tem sete letrinhas só, 
Tem um R e um A no meio, 
Começa em C e acaba em O.

.

Nunca se encontra sozinho, 
Vive sempre acompanhado, 
Por outros dois orgãozinhos, 
Junto de si, lado a lado.

.

O nome destes, porém, 
Não gera confusões, 
Tem sete letras também, 
Tem L e acaba em ÕES.

.

Pra acabar com o embalo, 
E com as más impressões, 
Os órgãos de que eu falo… 
São o coração e os pulmões!

.

Pensavam que fosse o quê? Mentes sujas…

FONTE: http://kumkaneco.blogs.sapo.pt/62498.html

12/11/2011 . 0 notes . Reblog